Sangue na neve: crime e redenção de um disléxico

Já havia publicado por aqui uma resenha a respeito de “o leopardo”, primeiro livro que li de Jo Nesbo. Achei o livro ótimo, como vocês poderão rememorar aqui.

Recentemente resolvi ler o famoso “sangue na neve”, que é o livro que chamou a atenção do mercado editorial para Nesbo (pelo menos é o que fiquei sabendo).

Não se trata de uma estória envolvendo o já famoso personagem de Nesbo, Harry Hole, mas da vida de um assassino profissional disléxico (acho que foi isso que mais me chamou a atenção).

O texto é narrado em primeira pessoa, do ponto de vista de Olav (nosso assassino) e mostra a confusão em que se meteu ao tentar agir por conta própria quando seu “patrão” lhe encomendou um “servicinho” simples e rápido.

Nesbo discorre de forma dinâmica, prendendo a atenção do leitor, e demonstra, no desenrolar da trama, fatos e acontecimentos da vida de Olav em Oslo (onde se passa os acontecimentos).

Nosso protagonista possui um certo interesse (fetiche?) em proteger “mulheres problemáticas”. Teve uma relação desgastante com o pai e a mãe e fala como se inseriu no mundo do crime, as dificuldades que teve com outros “trabalhos” e sua condição de “disléxico”.

É interessante o raciocínio de Olav, as vezes inteligente e elaborado, as vezes simplista e um pouco ingênuo.

No entanto, o que julgo mais interessante no livro foi mostrar o ponto de vista por parte de Olav, as vezes demonstrando que ele pudesse estar interpretando os acontecimentos ao seu redor de forma equivocada.

Um bom livro, sem sombra de dúvida.

sangue-na-neve-jo-nesbo-minha-vida-literaria

Sangue na neve. Autor: Jo Nesbo. 154 páginas. Editora Record, 2015. Tradução de Gustavo Mesquita.

 

Anúncios

Jo Nesbo: a nova cara dos romances policiais

Vou me referir ao texto de Jo Nesbo como romance policial porque, na verdade, não saberia que outro nome dar. Devo reconhecer que nunca tinha ouvido falar de Nesbo antes de ler uma resenha no jornal Folha de São Paulo sobre o livro “O Leopardo”. Guardei aquele título na cabeça, já que a resenha era extremamente elogiosa ao estilo e vigor literário dessa nova promessa norueguesa da literatura.
Por fim um dia, numa livraria de Belo Horizonte, dei de cara com “O Leopardo” e decidi me aventurar em sua leitura. E o que se deu foi uma grata surpresa. Rapidamente devorei suas 599 páginas. A resenha da Folha não foi tão exagerada como pensei.
O livro, publicado pela Editora Record em sua primeira edição conta a história de um detetive problemático (Harry Hole) que é convencido a deixar Hong Kong – onde se chafurdava no vício e na auto-punição – para voltar à Noruega, a fim de prender um serial kiler que estava aterrorizando a cidade de Oslo.
É interessante que Nesbo consiga inserir vários elementos, como disputas políticas, no contexto da história, além de muitas reviravoltas que nos deixam sempre com a atenção presa ao desenrolar da trama.
É claro que surgem alguns clichês, como a notável capacidade de observação de Hole (ao estilo Holmes), sua postura de anti-heroi e um discreto triângulo amoroso. Mas nada que comprometa a qualidade da obra. Não é atoa que “O Leopardo” se tornou um best-seller com mais de 254 milhões de livros vendidos.
Para quem gosta de romances policiais é um prato cheio.

O Leopardo